imagem:Jil Norberto
mais não menos

Rosa Pena

 
 
Questiono a opção de viver mais ou menos. Aqueles que não se entregam por inteiro, a impassibilidade num sorriso, frieza num “olá” quase segredado (para que terceiros não ouçam), cansaço num abraço frouxo, a falta de energia ao apertar a mão num “muito prazer”, pois afinal deve ser tenebroso conhecer novas pessoas. Isso é um paranoico temor de ser feliz. Levar a existência em banho-maria, imaginar que as coisas ficarão mais fáceis se a vida for indiferente com a vida (redundância?!), visto que o amor entorpece, o desejo volta e meia atraiçoa, a paixão é combustão. Não se oferecer por completo a existência poupa decisões. Tanto faz júbilo ou desgosto, aliás, eles nem constam. Sobra o nada e uma lasanha Sadia aos domingos.

Mas, se o grande barato estivesse em se preservar, o sol não precisaria acordar, o céu viveria em cerração, o mar sem ondas, paradão e acinzentado, o arco-íris transparente, as noites em eternos eclipses. Socorro! Que venha Nero colocar mais fogo!

A vida não pode ser vivida entre migalhas de sentimentos, pois ela é banquete. No cardápio: luz, poesia, amor, tesão, angustia, alegria, saco cheio, cerveja, colesterol, falta de grana, cerejas, tristeza, futebol, saudade e mais uma gama imensa de cálices borbulhantes de vontades que cada um traz dentro de si ou aprende no percurso. Vai deixá-la passar como aqueles rios que cortam grandes metrópoles? Paradinhos e sujos. Jamais! Que tsunamis sacudam a Sapucaí!

Em 2013 tome um porre de vontades e corra atrás de todas. Com sorte (e você tem, pois está vivinho da Silva) realizará 50%. Maior lucro. Prejuízo é fingir que está vivendo e parasitar a vida alheia.

Beijo na boca em noite de lua poupa o uso do plano de saúde. Imagina se a gente consegue falir esses filhos da puta! Ai o próximo passo é transar em noite com lua e noite sem lua. Se com beijo conseguimos abater esse gigante, noites abrasadoras destruirão nações do primeiríssimo mundo. Idealiza a Somália emprestando dinheiro à Inglaterra. Vale um orgasmo e tanto.

Ditoso ano para todos! Pula muita amarelinha sem chão! Quando chegar ao céu vira e volta pulando da mesma maneira. E a vida será mais, mais, mais, mais, mais...
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 19/12/2012
Alterado em 25/12/2016

Música: Dancing in the Dark - Burt Bacharach

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.





Site do Escritor criado por Recanto das Letras
art by kate weiss design